Entrevista Joan Vinyets Baixo Comércio

Publicado por admin em

�Que conseguem fazer com que os comerciantes se não acabam de sair os números de sua loja? A instabilidade colocou em xeque a alguns pequenos negócios que são visto como a subida do IVA, o desemprego e o declínio das rendas familiares fazia eliminar assim como tuas caixas. Alguns não resistiram o envite, outros enfrentam um 2013 com uma descida homóloga de vendas de mais um menos 10%, segundo dados do INE.

Joan Vinyets, antropólogo especialista em estudos de mercado e de consumo, docente habitual de Escodi (Universidade Superior de Avaliar i Distribució), traz um ver otimista para esta situação. Segundo ele, a crise não é a vasto culpada de tudo e realmente compensa que o botiguer de toda a existência e domina se adaptar aos novos tempos que correm.

Minha loja não funciona, Sempre há duas soluções: vendê-la e morrer ou renovar. Talvez não tem êxito visto que estamos fazendo o mesmo de trinta anos atrás ou o mesmo do que antes da queda… O consumidor de hoje foi alterado em relação ao de antes da incerteza. O que mudou? A elite, os ricos mais ricos, não mudaram, contudo a enorme massa impossibilite ostentar.

Pessoas com poder aquisitivo e que se são capazes de oferecer ao luxo de acordo com o que compras, tendem a não fazer pra evitar gerar mal-estar diante de amigos ou familiares que ficaram sem serviço, tendo como exemplo. O cliente acabou incorporando o slogan ‘Eu não sou idiota’. Diante de uma compra, primeiro contrasta as diferentes opções, o que vem alimentado pelo desenvolvimento dos media ou social media.

Na atualidade, recebemos infos em cada instante e em tempo real. E outro estilo relevante é marcado na própria queda. Diante da indefinição se pratique a restrição. Será que a instabilidade nos fez melhor compradores? Tornou-Nos mais responsáveis. Neste instante não há aquele impulso de obter de antes, no momento em que tinha créditos.

E, evidentemente, o consumo desceu por inevitabilidade em famílias com membros desempregados. E de uma outra forma. Por um lado, devido ao contexto em que estamos vivendo, e por outro, devido à melhoria geracional. É muito diferente como compravam nossos pais, como o fazemos nós ou para os jovens de já.

  • Faculdade Interamericana do Norte
  • Castro: “A acolhida do guarda-roupa e da cidade, de 10”
  • IBM abre caminho, do “mobile first’ o ‘mobile-only’
  • sete A falta de autonomia e segurança pessoal

Não sei até que ponto os comerciantes habituais estão ligados a isto. Às vezes, as razões de uma falência estão relacionadas com as modificações de estilos de vida a grau cultural e de comportamento. Produtos que antes se compravam fisicamente imediatamente são adquiridos online.

A compra física tem um outro componente: a gente pesquisa, ou o valor ou a experiência. As organizações que mais estão fazendo o maior sucesso são os que, além da ordem do artefato, tentam dar uma experiência. Tendo como exemplo, uma loja que não vende só paellas, mas que tem uma oferta relacionada com a cozinha. Esse negócio tem trabalhado a ideia: ‘você poderá ser um grande cozinheiro’. Você seleciona os fantásticos produtos, se informa e se forma com cursos e sugestões.

Categorias: Negócios